Páginas

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

RESENHA | O SÍMBOLO PERDIDO


Autor: Dan Brown
Editora: Sextante
Gênero: Aventura; Ficção
Ano: 2009
Páginas: 490

 Depois de ter sobrevivido a uma explosão no Vaticano e a uma caçada humana em Paris, Robert Langdon está de volta com seus profundos conhecimentos de simbologia e sua brilhante habilidade para solucionar problemas. Em O símbolo perdido, o célebre professor de Harvard é convidado às pressas por seu amigo e mentor Peter Solomon - eminente maçom e filantropo - a dar uma palestra no Capitólio dos Estados Unidos. Ao chegar lá, descobre que caiu numa armadilha. Não há palestra nenhuma, Solomon está desaparecido e, ao que tudo indica, correndo grande perigo. Mal'akh, o sequestrador, acredita que os fundadores de Washington, a maioria deles mestres maçons, esconderam na cidade um tesouro capaz de dar poderes sobre-humanos a quem o encontrasse. E está convencido de que Langdon é a única pessoa que pode localizá-lo. Vendo que essa é sua única chance de salvar Solomon, o simbologista se lança numa corrida alucinada pelos principais pontos da capital americana: o Capitólio, a Biblioteca do Congresso, a Catedral Nacional e o Centro de Apoio dos Museus Smithsonian. Neste labirinto de verdades ocultas, códigos maçônicos e símbolos escondidos, Langdon conta com a ajuda de Katherine, irmã de Peter e renomada cientista que investiga o poder que a mente humana tem de influenciar o mundo físico. O tempo está contra eles. E muitas outras pessoas parecem envolvidas nesta trama que ameaça a segurança nacional, entre elas Inoue Sato, autoridade máxima do Escritório de Segurança da CIA, e Warren Bellamy, responsável pela administração do Capitólio. Como Langdon já aprendeu em suas outras aventuras, quando se trata de segredos e poder, nunca se pode dizer ao certo de que lado cada um está. Nas mãos de Dan Brown, Washington se revela tão fascinante quanto o Vaticano ou Paris. Em O Símbolo Perdido, ele desperta o interesse dos leitores por temas tão variados como ciência noética, teoria das supercordas e grandes obras de arte, os desafiando a abrir a mente para novos conhecimentos.


O Símbolo Perdido é a terceira aventura de Robert Langdon - primeiro é o Anjos e Demônios, depois vem O Código Da Vinci e o último é o Inferno. Todos já devidamente resenhados aqui no blog.

 Por eu ter lido os três da saga Robert Langdon e amado todos eles - os finais são espetaculares, emocionantes - comecei a ler OSP esperando a mesma emoção, mas não teve a mesma linha.

Os quatro livros da saga têm o mesmo estilo de escrita: o Dan Brown sempre descrevendo tudo com precisão, uma riqueza de detalhes, e sempre com um grande conhecimento sobre a história, arte e cultura dos lugares por onde a trama passa.

Em OSP não foi diferente, porém, a história só teve um ponto máximo que me pegou de surpresa. Depois dessa grande revelação veio a decepção com o final fraco - isso na minha opinião.

Bom, fora o final um pouco sem graça, O Símbolo Perdido não deixa de ser bom. Dan Brown da mais um show transformando Washington em uma cidade surpreendentemente misteriosa.

A sinopse que coloquei acima - retirada do skoob - já é um excelente resumo do livro, então vou falar um pouco, só apresentar os personagens mais importantes da estória.

  • Robert Langdon: um célebre professor de iconografia religiosa e simbologia de Harvard. Alto, lindo, charmoso, altamente inteligente... okay, sou um pouco apaixonada por ele. Não importa a história que o Dan - já toda trabalhada na intimidade - o coloque, ele vai descobrir os segredos mais escondidos. Um cara simples, muito educado e nada religioso.
  • Peter Solomon: um poderoso maçom, filantropo e melhor amigo de Langdon. Foi sequestrado e no decorrer da história vai ter uma grande revelação - que pra mim foi o ápice do livro.
  • Mal'akh: um louco. Sequestrou Solomon com o intuito de se vingar e descobrir um segredo, escondido pelos maçons há muito tempo, e que, segundo a lenda, dá poderes sobre-humanos a quem o encontrar.
  • Katherine: irmã de Peter. Ela é cientista e investiga o poder que a mente humana tem de influenciar o mundo físico - estuda a ciência noética.
Esses ↑ são os que personagens que eu considero protagonistas, apesar dos outros também serem - Diretora Sato do Escritória de Segurança da CIA e o Warren Bellamy que é o responsável pelo capitólio, amigo de Peter e também um importante maçom.

Quem ainda não leu nenhum livro do Dan Brown, comece por Anjos e Demônios e continue seguindo a ordem dos lançamentos.


Já conhecem o Orelha de Livro? Não? Clica Aqui!!!

Suh. 

2 comentários:

  1. Eu tenho a trilogia do Robert Langdom (não tenho o Inferno) e gostei muito do Símbolo Perdido. Confesso que gosto muito mais dos dois primeiros, mas, é aquela questão, Dan Brown não escreve livro ruim, todos são emocionantes e eletrizantes.
    Adorei sua resenha, parabéns!!

    Abraços,
    Diego.

    pecasdeoito.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Recomendo muito o "Inferno", gostei bastante - assim como adorei os dois primeiros também. Concordo com você: Dan Brown não escreve livro ruim, todos são emocionantes e eletrizantes.
      Obrigada, fico feliz por ter gostado *-*

      Beijos!!

      Excluir

Gostou? Então participa comentando abaixo ;)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...