Páginas

domingo, 26 de maio de 2013

RESENHA | O LADO BOM DA VIDA



Autor: Matthew Quick
Editora: Intrínseca
Gênero: Romance
Ano: 2013
Páginas: 255

Pat Peoples, um ex-professor na casa dos 30 anos, acaba de sair de uma instituição psiquiátrica. Convencido de que passou apenas alguns meses naquele lugar "ruim", Pat não se lembra do que o fez para lá. O que sabe é que Nikki, sua esposa, quis que ficassem um "tempo separados". Tentando recompor o quebra-cabeça de sua memória, agora repleta de lapsos, ele ainda precisa enfrentar uma realidade que não parece muito promissora. Com o pai se recusando a falar com ele, a esposa negando-se a aceitar revê-lo e os amigos evitando comentar o que aconteceu antes de sua internação, Pat, agora viciado em exercícios físicos, está determinado a reorganizar as coisas e reconquistar sua mulher, porque ainda acredita em finais felizes e no lado bom da vida.
Uma história comovente e encantadora, de um homem que não desiste da felicidade, do amor e de ter esperança.


A primeira vez que vi a capa desse livro senti que eu iria gostar da história. Sei que não devemos julgar um livro pela capa, mas pela primeira vez eu julguei. "Bati" o olho nele e logo quis lê-lo.
Gosto muito de livros que falam do comportamento humano, de como as pessoas conseguem  passar pelas dificuldades da vida, como conseguem enfrentar os problemas e seguir em frente.
Foi por isso que gostei tanto de O Lado Bom da Vida. A temática é exatamente essa: sua vida está passando por uma turbulência e sua missão é conseguir superar, cicatrizar as feridas.
No livro, Pat Peoples aparentemente não tem nada de bom para desfrutar na vida. Está internado em uma clínica psiquiátrica e por conta disso é julgado e apontado como insano, incapaz de controlar suas atitudes imprevistas - o que quase sempre acontece.
Claro que ele não é uma pessoa transtornada e que se controla emocionalmente a base de remédios desde a infância. Pat é um cara na faixa dos trinta anos de idade que antes de ser internado era "muito bem casado" com Nikki, seu grande amor - ele deixa isso bem claro no livro.
Durante o tempo que ele passou internado - Motivo? Ele não faz a miníma ideia, mas vai descobrir é claro - enfim, ele só queria saber de se preparar para o seu tão esperado reencontro com sua amada. ♥
Muitas coisas ele esqueceu após seu trauma, a única de que se lembra é do "tempo separados" que Nikki quis que ficassem. 
Quando finalmente sua mãe vai buscá-lo no lugar "ruim", ele só pensa em Nikki, em melhorar mais e mais para Nikki, em ser um cara gentil para agradar Nikki e até ler os livros que ela passa aos seus alunos. Tudo por Nikki.
Como nem tudo na vida é fácil de ser resolvido, ao sair da clínica, Pat tem que continuar a ser acompanhado por um profissional, a tomar seu coquetel de remédios - o que ele odeia - e aprender a se controlar mais diante de uma realidade inicialmente inaceitável por ele.
O melhor em Pat é o seu otimismo. Por mais difícil e dura que seja a realidade, ele nunca deixa de ver O Lado Bom da Vida.

 → Bom, já que você leu toda a resenha - agradeço por isso ;) - quero que você, leitor, me responda uma coisinha:

Parando para refletir um pouco diante da história do livro, queria saber o que você que está lendo isso agora faria para enfrentar um trauma na sua vida. Você seria capaz de ver o lado bom das coisas mesmo que o mundo ao seu redor conspirasse contra você a cada dia?? Será que você conseguiria ser otimista??

Espero sua resposta!! Obrigada, Beijos!!! 


Já conhecem o Orelha de Livro? Não? Clica Aqui!!!
Suh.

16 comentários:

  1. eu enfrentei um mundo cão, sempre consegui me rearranjar socialmente e mentalmente, ou foi pela religião e depois pela filosofia que creio, ou me guiava por ter uma família, pai , mãe,irmãos, ou pelo trabalho. Cada passo ainda é organizado em prol de uma sociedade minha comigo, me manter na luta. agora é (foi) sempre necessário família , por mais complicada que se mostre.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz por você e concordo plenamente com o que você diz a respeito da família. Sim, ela nos ajuda bastante a superar as dificuldades. Ela é a nossa âncora na vida.!!

      Obrigada pela participação.
      Beijos!!

      Excluir
  2. Oi Suellen, tudo bom?
    Também resenhei esse livro, que foi tão especial pra mim
    Pat é admirável, sou completamente apaixonada pela sua inocência.
    Gostei da resenha
    Beijos

    Tem post novo e promoção lá no blog!
    endless-poem.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Pat realmente é muito especial.
      Como eu disse na resenha, também adorei o livro :)
      Que bom que gostou, vou visitar seu blog. *-*

      Obrigada pela participação aqui no blog ;)
      Beijoos!!

      Excluir
  3. Olá , seu blog é muito bom,
    e desde já quero dar-lhe os parabéns, meu nome é:
    António Batalha, e quero deixar-lhe um convite,
    se quiser fazer parte de meus amigos virtuais no
    blog Peregrino E Servo ficarei muito radiante.
    Claro que irei retribuir seguindo também seu blog.
    Deixo-lhe a minha bênção.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Antônio, que bom que gostou do blog, fico feliz.
      Sim, irei fazer uma visita ao seu blog ;)
      Beijos*-*

      Excluir
  4. Ei Suellen, tudo bem?
    Bom, eu acho que sempre devemos ser otimistas.. Mas os acontecimentos externos influenciam demais nossa maneira de agir, então eu não sei se eu conseguir ser otimista sempre ;/

    beijos
    http://meuvicioliterario.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Anna, tudo bem sim :)
      Concordo que os acontecimentos externos influenciam muito na nossa maneira de agir, mas depende de nós, se vamos ser influenciados ou não pelos problemas..

      Obrigada pela participação.
      Beijoos*-*

      Excluir
  5. EU QUERO MUITO LER ESSE LIVRO!!!!!

    Adorei sua resenha, parece ser muito bom!

    http://momentoliterario1.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aahh ele é muito bom mesmo ;)
      Fico feliz por ter gostado da resenha.

      Obrigada por participar.
      Beijos*--*

      Excluir
  6. Ah, Suellen, não sei se eu conseguiria ser otimista, ver o tal "Lado Bom da Vida", pois, sou extremamente pessimista, uma falha terrível na minha personalidade, mas para mim qualquer um grande trauma seria como o fim do mundo, kkk', ou o começo do fim, desculpe parecer assim, tão depressivo...
    Bjs.

    Visite-me ^^
    Uma dose de palavras
    http://uma-dose-de-palavras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. kkkkk depressivo mesmo.
    Rogério, ser pessimista é algo ruim, imagino que você saiba disse, ver "O Lado Bom das Coisas" pelos menos de vez em quando ajuda bastante. Não to insinuando que você deve mudar isso radicalmente, não, mas pelo menos tente as vezes ser um pouco otimista.
    A mudanças começam aos poucos.

    Obrigada pela participação.
    Beijos!!
    Suh

    ResponderExcluir
  8. Eu comprei, mas não li ainda. Agora estou ansiosa haha
    http://tears-inthedark.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Oiie adorei a resenha, quero muito ler este livro.
    estou seguindo o seu blog !
    Poderia seguir o meu por farvor??
    http://nuvensdelivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, que bom que gostou *-*
      Vou retribuir..

      Excluir

Gostou? Então participa comentando abaixo ;)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...